Medidas anunciadas pelo governo têm efeito limitado e servem para evitar que mais empresas quebrem em 2017

Por Marcello Corrêa, João Sorima Neto, Ana Paula Ribeiro para O Globo em 16/12/16

 

As medidas de estímulo à economia foram recebidas com desconfiança por analistas. Para Fábio Silveira, sócio-diretor da MacroSector, os pontos apresentados têm efeito limitado e servem apenas para evitar que mais empresas quebrem no ano que vem. Ele defende que uma recuperação só será possível quando os juros básicos da economia caírem mais fortemente.

São medidas tópicas, visando trazer algum fôlego para que as empresas consigam iniciar 2017 e não quebrarem. Crescimento mesmo só vai ter quando juros caírem. Enquanto estiverem nesse patamar estratosférico não tem crescimento — avalia o analista, que espera um início da retomada a partir do segundo semestre de 2017.

 

Clique aqui para ver o conteúdo na íntegra