Dólar caro funciona como ‘banho de água fria’ no comércio

Entrevista de Fabio Silveira para  Portal Varejo em Dia


A alta do dólar, agora próximo de R$ 3,90, funcionou como um banho de água fria nas projeções mais otimistas para o varejo neste ano.

Dólar mais caro significa encarecimento de produtos e insumos importados e cria um ambiente de desconfiança na economia, afetando em cheio os negócios.

E a expectativa de queda da taxa básica de juros da economia, a Selic, hoje de 6,5% ao ano, um estímulo ao consumo, já não é mais tão firme.

A análise é de Fabio Silveira, economista e sócio-diretor da MacroSector Consultores.

Por que o mercado de câmbio se mostrou mais nervoso nos últimos dias?

“O mercado não está vendo no governo de Jair Bolsonaro a capacidade necessária para discutir e, em seguida, aprovar a reforma da Previdência no Congresso”, diz Silveira.

“Se esse estresse entre o executivo e o legislativo continuar, o ritmo de atividade do país vai diminuir afetando em cheio o varejo.”

A previsão dos economistas neste trimestre é de um crescimento do varejo entre 2,5% e 3% neste ano.

Se as discussões em torno da reforma da Previdência continuarem tensas, esses números serão menores ou até negativos, de acordo com Silveira.

Leia Mais

Têxteis ecológicos à base de celulose

 

Texto elaborado por MacroSector Consultores


Com o crescimento demográfico e econômico global, estima-se que em 2050 o consumo de têxteis no mundo será três vezes maior do que em 2015. Atualmente, cerca de 60% dos produtos têxteis são fabricados a partir do petróleo, que não é renovável e se tornará escasso em um futuro não muito distante. Da mesma forma, o cultivo de algodão diminuirá, pois mais terras serão necessárias para a produção de alimentos.

Além disso, na era da comunicação digital, a demanda por papel de jornal e folhas de papel, está caindo, enquanto que a demanda por fibras têxteis de origem florestal está aumentando. Nesse sentido, novas matérias-primas têxteis ecológicas e renováveis serão necessárias para satisfazer as necessidades futuras.

Um estudo desenvolvido pela Universidade de Karlstad (Suécia) pretende gerar novos conhecimentos tecnológicos de polpação por sulfito para a fabricação de fibras de celulose. A pesquisa também busca investigar se esse processo pode oferecer maior eficiência econômica e utilizar matérias-primas mais baratas. Os resultados serão úteis para que as fábricas utilizem novas tecnologias no futuro. Atualmente, o processo Kraft é o mais empregado.

Ainda no caso do desenvolvimento tecnológico de polpação por sulfito, há a possibilidade de geração de subprodutos lucrativos, como o etanol, tornando este processo de manufatura mais sustentável, em benefício da sociedade e do meio ambiente.

Fonte: Science Daily [1]

[1] Para maiores informações, ver:  https://www.sciencedaily.com/releases/2017/04/170427110920.htm

 

Bolsonaro nos EUA: quais produtos o Brasil poderia vender mais para os americanos?

 

Entrevista de Fabio Silveira para  BBC News Brasil


Em 2008, um ano antes de a crise financeira derrubar em 25% o volume total de importações dos Estados Unidos, o Brasil exportava cerca de US$ 27 bilhões para os americanos. Uma década depois, estamos praticamente no mesmo patamar: no ano passado, vendemos US$ 28,7 bilhões em produtos básicos e manufaturados para nosso segundo maior parceiro comercial, atrás apenas da China.

As razões apontadas para a estagnação são várias – desde a perda de competitividade da indústria brasileira e o foco preferencial no Mercosul até a dificuldade de acesso ao mercado americano – o país é bastante protecionista em algumas áreas.

O fortalecimento do comércio bilateral era uma das intenções da viagem do presidente Jair Bolsonaro a Washington nesta semana, a primeira visita oficial a outro chefe de Estado desde que assumiu o cargo – feito repetido apenas por João Goulart, recebido por John F. Kennedy em 1962.

Assim como Jango, Bolsonaro volta ao Brasil sem um compromisso concreto por parte dos americanos – pelo menos na questão específica do comércio exterior.

No encontro, durante coletiva de imprensa no Salão Oval da Casa Branca, o presidente dos EUA, Donald Trump, foi vago, afirmando que “um dos grandes elementos da relação [entre os dois países] é o comércio”.

“O Brasil faz ótimos produtos. Os Estados Unidos fazem grandes produtos. Então, acho que nossa relação comercial com o Brasil vai crescer em ambas as direções, e esperamos por isso. Acho que é uma das coisas que o Brasil gostaria de ver acontecer.”

O Brasil, por sua vez, fez uma concessão unilateral ao país e anunciou que flexibilizará a entrada de trigo americano – 750 mil toneladas com tarifa zero. A balança comercial do trigo no Brasil é estruturalmente deficitária – nós não conseguimos produzir o suficiente para suprir nossa demanda.

Na prática, a decisão sinaliza que os Estados Unidos devem tomar parte de um mercado que hoje é da Argentina, nosso principal fornecedor da matéria-prima.

Balança comercial Brasil-EUA

Analistas ouvidos pela BBC News Brasil fazem leituras distintas do encontro. Welber Barral, ex-secretário de Comércio Exterior do governo federal, por exemplo, avalia que a primeira reunião é um espaço para “criar empatia”, e que o governo não poderia “querer muito mais que isso”.

Fabio Silveira, sócio-diretor da consultoria MacroSector, por outro lado, vê a viagem do presidente como uma “oportunidade perdida” para tentar “colocar na mesa” um debate sobre a redução de restrições que produtos brasileiros, especialmente básicos, enfrentam nos EUA.

Leia Mais

Bloqueios de R$ 11 bilhões contra Vale representam metade do caixa da empresa

 

Entrevista de Fabio Silveira para O Estado de S. Paulo


SÃO PAULO – Os próximos pregões da Bolsa devem ser turbulentos para a Vale, que já viu seus papéis no exterior derreterem na sexta-feira, após o rompimento da barragem de Brumadinho (MG). Como a Bolsa brasileira não operou no último dia 25, as ações da empresa só começarão a refletir o impacto do desastre nesta segunda-feira, 28.

Na última sexta-feira, os ADRs (como são chamados os recibos de papéis de ações) da Vale negociados em Nova York fecharam em queda de mais de 8%. A expectativa dos analistas é de que as ações da empresa negociadas na Bolsa brasileira tenham um desempenho parecido nesta segunda, ou pior.

“A queda lá fora foi grande, mas ainda não se tinha a dimensão da tragédia. O mercado deve punir a Vale”, diz Fabio Silveira, da Macrosector. O economista-chefe da Eleven Financial Research, Adeodato Netto considera que os efeitos para a companhia são negativos de curto prazo, mas menos relevantes no longo prazo.”

Leia Mais

Da espessura de um fio de cabelo

 

Texto elaborado por MacroSector Consultores


Pesquisadores da Escola de Engenharia Elétrica da Coreia do Sul, liderados pelo Prof. Kyung Cheol Choi, aprimoraram o uso da tecnologia OLED (lâmpadas LED de material orgânico) em fibras têxteis, tornando-as extremamente finas. Assim, criou-se um material que, além de luminoso, é bastante flexível, já que sua espessura é a mesma apresentada por um fio de cabelo. Espera-se que essa nova tecnologia seja amplamente utilizada em telas ou monitores wearable (vestíveis).

A qualidade das atuais telas wearable com fibras luminosas é muito inferior à das telas rígidas convencionais (ou de superfícies planas), tornando limitada a sua utilização. Para tentar resolver este problema, os cientistas desenvolveram um novo método de confecção,  em que as fibras têxteis são revestidas com OLEDs pelo processo de imersão (dip-coating), conferindo-lhes maior resistência, longa durabilidade e propriedades equivalentes às das telas convencionais.  Por serem muito finas, as novas fibras com OLEDs podem ser costuradas em diversos tecidos, tornando-os “inteligentes”, isto é, capazes de exibir imagens como um monitor de computador.

Fonte: Science Daily[1]

[1] Para maiores informações, ver: https://www.sciencedaily.com/releases/2018/01/180110101019.htm